Democracia? Que democracia?

democracia

Temos orgulho de dizer que vivemos em um país democrático, mas ultimamente tenho me perguntado muito se realmente vivemos em um país democrático.

Desde as últimas manifestações mais populosas, que ocorreram no meio de 2013 onde chegamos a ter a Av. Pres Vargas e a Av. Rio Branco, duas das mais importantes do Rio de Janeiro, lotadas de manifestantes, onde praticamente nada foi mudado – e o que foi, foi a muito custo e resistência – , me pergunto a respeito de quão democrático é o nosso regime.

A Democracia parte do princípio onde a maioria escolhe o caminho que o país vai tomar, porém, tirando o fato de que escolhemos os candidatos “democraticamente”, não temos mais nenhum exemplo de atitude democrática. E para piorar, nem os candidatos são representantes da população. Aqui no Rio de Janeiro, por exemplo, são meros políticos que por não terem concorrência (ou de alguma forma impedirem que haja) se candidatam e são eleitos por falta de opção. Uma prova disso é o resultado parcial das pesquisas eleitorais. Veja na imagem abaixo:

eleicoes-2014-governador-rj-ibope
Fonte:  Pesquisa do Ibope divulgada dia 26/11/2013 pelo jornal “O Globo”.

Como podemos acreditar que o candidato que está vencendo representa a maioria da população, ou pior, quando podemos acreditar que algum dos candidatos efetivamente representa a população em um cenário onde a maioria da população está simbolicamente dizendo “nenhum dos candidatos me representa“? Digo isso pois o candidato que lidera a pesquisa, Crivella, tem menos da metade de votos do que a quantidade de votos brancos, nulos e indecisos.

Analisando isso, estamos em um país onde escolhemos entre os candidatos e só. Nada além disso. Após assumirem o governo, a política adotada é a que beneficia quem patrocinou a campanha e defende interesses próprios e de seus “patrocinadores”.

Temos um grande apelo na mídia colocando o período do Governo Militar como uma época sem democracia. Sem querer comparar os períodos, será que realmente temos uma democracia justa já que não vivemos mais em uma ditadura? Seu candidato a vereador fez algo em prol da sua comunidade, trouxe algum benefício para a maioria que o elegeu?

A questão da ideologia dos partidos eu nem vou comentar. Além de serem hoje em dia meras siglas para identificar e diferenciar partidos, não representam em nada os objetivos dos políticos. Temos nomes para diferenciar os candidatos e suas legendas, alguns mais conhecidos que outros e assim é que é gerada a maioria no momento da eleição, lembrança de marca.

Assim como uma marca de aparelho eletrônico desconhecido gera desconfiança, ao invés de elegermos políticos novos, que tem maior propensão à mudança, nos rendemos a eleger os mesmos que já conhecemos por saber como ele trabalha, mesmo que seja roubando. A eleição é ganha por lembrança de marca. E aí voltamos ao problema de que o político no Brasil não é eleito para representar uma maioria, mas sim por falta de opção.

Tenho comentado a respeito de uma possível candidatura minha às próximas eleições para vereador. Provavelmente sem muita chance de ganhar, ok. Mas o que mais me assusta é saber que muitos amigos não vão votar em mim pelo fato de acreditarem que “gente honesta não consegue crescer na política“. Além desse argumento já ouvi alguns outros, e confesso, me assusta imaginar que acreditamos que isso seja uma democracia saudável, se é que é uma democracia.

One thought on “Democracia? Que democracia?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *