Hora extra no trabalho – Vilão ou herói?

empregado fazendo hora extra

Nas empresas em que trabalhei sempre vi funcionários que se orgulhavam de fazer hora extra. Alguns desses ficavam após o horário do trabalho apenas navegando na internet, mas colocavam a medalha de “saio depois do horário”.

Sei que isso não é um comportamento exclusivo das empresas onde trabalhei e por isso decidi fazer o post com a minha opinião sobre o assunto.

Fazer hora extra

No começo da faculdade tive um professor de administração que me passou conceitos básicos de uma forma simples que até hoje ainda aplico. Um desses conceitos está relacionado a fazer hora extra.
Ele defendia que fazer hora extra era errado e para explicar isso comentava:

– Se você está fazendo hora extra é incompetência, que pode ser sua ou da sua empresa.
Se você não consegue administrar o volume de trabalho diário e sai depois do horário a culpa é sua. Você não se programou. Porém se o volume de trabalho passado é além do executável em horário normal a culpa é da sua empresa, que não consegue delegar funções corretas para o dia a dia.

Não sou tão radical e acredito que existem momentos em que a gestão de volume de trabalho foge ao controle e acaba sendo necessário fazer hora extra, porém ainda acredito que se alguém tem orgulho disso algo está errado.

Muitos vão dizer que é necessário fazer hora extra para cobrir “buracos” ou tentar gerar mais recursos para a empresa e se destacar.

E meu argumento é simples, se sua empresa tem buracos a culpa é dela. Se você não consegue se destacar em 8h de trabalho e precisa fazer hora extra a culpa é sua.

Com a mobilidade, acessar e-mail fora do horário de trabalho acaba ficando mais comum. Realizar tarefas depois que chega em casa é fácil se você levar num pendrive ou por e-mail, mas é preciso dosar esses recursos para não perder a qualidade de vida e se iludir achando que não está fazendo hora extra.

Em resumo, se você tem o hábito de fazer hora extra, mesmo que seja remunerado para isso, reflita sobre a carga de trabalho. Será que não poderia passar mais tempo com sua família ao invés de estar no trabalho? Qual o real custo – que vai além do financeiro – de trabalhar constantemente com a necessidade de fazer hora extra?

Hora extra no trabalho

E para os que se orgulham de ficar depois do horário, mesmo que seja navegando na internet (para não dizer gastando tempo da empresa), um aviso, se você está ganhando para isso cuidado, podem perceber que você não é tão fundamental para a empresa.

Para fechar com mais embasamento, deixo um trecho retirado do blog Vida Universitária falando sobre o assunto:
De acordo com a consultora do IDORT-SP, Elisabete Alves, a cultura da hora extra está sendo mudada devido aos programas de qualidade de vida e também para reduzir os custos das empresas.

“As empresas valorizam aqueles profissionais que conseguem cumprir suas metas no horário de trabalho estabelecido. Além disso, a hora extra custa caro para as instituições”.

9 thoughts on “Hora extra no trabalho – Vilão ou herói?

  1. Amigo Roberto, tenho uma dúvida.
    Eu costumo fazer hora extra no trabalho, para chegar mais tarde no busão e pegar ele vazio.

    Quem está errado, eu ou a empresa de ônibus que não adiciona mais carros em sua linha?

    Ó mestre Bebetinho do mediterrâneo, diga-me se tu podes ajudar! rsrs

  2. Caro Elinho,

    Aqui na agência, para nossa sorte, temos uma política de horas flexível que ajuda MUITO na hora do trabalho.
    Diferente de empresas onde temos cartão de ponto, chefe olhando para nossas telas e conferindo se tem ou não uma planilha de Excel aberta, aqui temos uma equipe que possibilita o desenvolvimento do trabalho sem prejuízo da saúde mental… Tirando os que já não tem mt. rsrsrs…

    A possibilidade de chegar mais tarde e sair mais tarde não se configura em hora extra, já que você não fica 12h trabalhando, mas sim o normal que ficaria caso tivesse um controle de entrada forçando a chegada às 9h por exemplo.

    Essa é uma das vantagens que eu julgo como parte do pagamento não econômico, mas isso fica para um outro post…

    Abraços,
    RGV

  3. Seu professor está certo! Já trabalhei em empresas com 3 funcionários e em empresas com 18.000. Vejo diferentes situações que sempre terão um culpado.
    O problema é que muitos profissionais não sabem administrar seus projetos e sua lista de prioridades, aí qdo veem que vai dar M… se desesperam e ficam com tudo para resolver em cima da hora.
    Não me lembro quem me ensinou isso… eu se aprendi ralando, mas pelo menos na nossa área (marketing) hora extra é uma certeza! São muitos projetos ao mesmo tempo e coisas que aparecem para ser resolvidas em cima da hora. Como você não vai trabalhar durante um evento que ocorre a noite ou no final de semana? Como não ficar até mais tarde, tendo que terminar uma campanha.
    Agências tem horários um pouco mais flexíveis e chegam mais tarde, e por conta disso… muitas vezes o cliente fica até mais tarde porque depende do material que a agência vai mandar. Mesmo que o cara tenha chegado as 8h e a agência comece a pensar em funcionar as 10h…
    Em empresas grandes, a aprovação de uma nova vaga é um processo que pode chegar a ano, é tanta gente que precisa aprovar a liberação de uma vaguinha no organograma… que até você conseguir um assistente, já se passaram 1 ano fazendo hora extra (é, pq aí eles realmente vão perceber de que você precisa).
    Em empresas pequenas, o problema é verba, não dá pra sair contratando mais gente toda hora e depois não poder pagar ninguém. É preciso ter a certeza do volume constante. Muitas vezes existem projetos urgentes, mas que quando terminam tudo volta à calmaria. E aí, todo mundo volta pro youtube! Hehehe…

  4. Priscila,

    Realmente em marketing, devido a necessidade de urgência em algumas ações ou também a participação e execução de eventos nós teremos que fazer hora extra.
    Ainda acho que o nível de hora extra pode ser diminuído se essa urgência fosse administrada de forma sustentável. Temos clientes que tudo é urgente, e no que entendo, se tudo é urgente é porque tudo está atrasado. rsrs.
    Urgência deve vir acompanhado de prioridade e definição de metas.
    Já no que diz respeito a burocracia de contratação podemos ligar isso a falta de gerenciamento, não?
    Sobre as pequenas empresas com poucos recursos concordo com você que se o cliente sair o youtube bomba nos pcs. rsrs. Mas ai entram questões de prospecção, contratação etc… coisas que fogem ao controle do funcionário que faz hora extra.

    O post foi com o objetivo de expor minha opinião sobre hora extra e também sobre quem gosta – ou diz que gosta – de fazer hora extra. Essa parte de gestão de pessoas é complexa e precisa de uma análise individual em cada empresa.

    Concorda?

    Abraços,
    RGV

  5. Tá gente, tá tudo lindo nessa história de hora extra, mas quero saber o lance do ônibus que eu perguntei… Cadê?
    Quem está errado, eu, ou a empresa de ônibus?

    Amigo, aproveitando a deixa, responda-me por favor. O que você acha de um e-mail marketing sem botão de clique? Funciona? É útil para marketing de guerrilha?

    Abraços. E abraço a amiga Priscila Loirão.

  6. Hahaha… com certeza! Tem gente que gosta é de aparecer!
    Sobre as contratações…
    Empresa grande a questão não é só gerenciamento, depois que a vaga é aprovada pelo gerente, precisa ir pro Diretor, que é um cara mega importante e vive viajando pelo mundo, leva 3 meses pra responder, aí se ele aprova, vai pro RH que define os cargos e salários da empresa, que repassa para o financeiro, revisa o organograma e com muita sorte uma vaga é liberada! É tanta gente que tem que aprovar que demora mesmo. Enquanto isso um corno sofre!
    As urgências do marketing é uma discursão eterna! Pequenas coisas acontecem na mesma data todos os anos, essas sim podem ser planejadas e organizadas… só que sempre aparece uma empresa que pede patrocínio para um evento que vai ser daqui a 1 mês ou então um gerente comercial inventa uma promoção pra daqui a 3 dias pq precisa levantar as vendas, o resultado está ruim… e lá vai o cara do mkt ficar 3 dias sem dormir. Não tem como… as urgências são sempre coisas inesperadas que aparecem.

  7. Elinho,

    ônibus no Rio de Janeiro realmente é um problema e sobre isso nem preciso pensar muito que está relacionado a gestão. Porém nesse caso a gestão vai além da empresa. Em transporte urbano entramos no assunto de administração municipal e estadual, leis de regulamentação, fiscalização e etc.
    Acredito que por mais que as empresas coloquem ônibus, em um momento, devido ao tamanho da população, se todos saírem ao mesmo tempo é inevitável o trânsito. Sem dúvidas trabalhar em horário alternativo permite pegar o ônibus com menos trânsito.
    Expliquei ou confundi?

    Abraços,
    RGV

  8. Querido Elinho!
    Felizardo é quem trabalha na Núcleo, que colocou um horário de entrada e saída depois do horário do povão!
    Assim você pega seu ônibus tranquilão!

  9. Em informatica é muito parecido com marketing. não tem isso de dizer não para o cliente porque ele quer um sistema do dia pra noite, voce topa o desafio e pronto. quem fala não nesse mercado não ganha dinheiro.

    eu trabalho por hora, e cada hora trabalhada é mais dinheiro no meu bolso. sou novo ainda, não sou casado e posso aguentar trabalhar assim durante mais uns 20 anos ou mais. então qual o problema?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *