Mais uma eleição de bolsas?

Ano de eleição e os políticos, fervorosamente, vão às ruas para abraçar, beijar e prometer mundos e fundos para seus eleitores. Infelizmente, ano vem ano vai e as coisas se repetem: os políticos prometem, enganam, compram os votos e, novamente, 4 anos jogados fora.

Estava lendo sobre os diversos tipos de auxílio que o Governo Federal oferece a população carente e fico impressionado com esse modelo que existe. Hoje, no meu ponto de vista, o que o Governo faz não chega nem a ser um “tampar o sol com a peneira”, pois com esses projetos sabemos o tamanho do problema. Hoje o Governo ajuda a não melhorar, a desejar ficar nessa posição, pois se for um pouco mais “rico” você perde os “benefícios”.

A quantidade de projetos estilo bolsa-família, bolsa-escola e “bolsa-sei-lá-mais-o-que” nos puxa para uma sociedade parada onde o “correr atrás” não existe, pois se você fizer isso, perde a ajuda do Governo.

Quando estava lendo sobre esses projetos vi coisas absurdas como dar aparelhos eletrodomésticos para pessoas carentes. Ok, para quem não tem, sem dúvida é uma grande ajuda, mas e o emprego para pagar a conta de luz? E um sistema de energia elétrica que chegue até as casas mais distantes? E água potável? Outro caso interessante é colocar Wi-Fi na Avenida Brasil, mas e os buracos no asfalto, quando serão tapados? E a iluminação, fica sem melhorar? Calçadas e pontos de ônibus decentes também são supérfluos?

Serviços básicos são deixados de lado para iludir a sociedade e reeleger governantes que dão bolsa… Um caso clássico na zona urbana é o asfaltamento feito pelos deputados. Em ano de eleição, principalmente em ruas fechadas, vemos várias placas de “Obrigado Dep. Fulano. Asfalto novo na nossa rua“. Infelizmente eleição é de 4 em 4 anos, se fosse anualmente as ruas estariam sempre com asfalto novo.

Analisando esse cenário, acredito que parte da culpa é do nosso sistema de ensino. Nas aulas em que deveriam ser ensinados tópicos relacionados à política, sociedade e ética encontramos professores que cobram a data da comemoração de Tiradentes, mas passam superficialmente sobre qual o motivo da data.

Lembro que para as provas do colégio ficávamos estudando as datas de começo e término das guerras mundiais, mas o que causou e as consequências que deixaram eram menos cobradas e valiam menos pontos.

Com isso, não criamos adultos com conhecimento sobre história, mas sim, adultos que sabem datas. Quantas aulas você teve no colégio falando sobre nosso sistema político? Quantas aulas você teve sobre as datas dos acontecimentos?

Para transformar esses sistemas de auxílio em algo que realmente traga evolução para a sociedade é preciso melhorar a sociedade que recebe esse auxílio. Sem dúvidas, existem pessoas que recebem o auxílio e, mesmo assim, vão à luta para conseguir algo melhor, mas será que é isso que o governo quer? Uma sociedade que pense e que busque melhorias?

Depois de ler um comentário no twitter*, achei válido colocar a piada abaixo:

Um candidato político foi a uma escola conversar com as criancinhas, acompanhado de uma comitiva. Depois de apresentar todas as maravilhosas propostas para seu governo (se eleito), disse às criancinhas que iria responder perguntas. Uma das crianças levantou a mão e o candidato perguntou:
– Qual é o seu nome, meu filho?
– Paulinho.
– E qual é a sua pergunta?
– Eu tenho três perguntas.
– A primeira é “Onde estão os milhões de empregos prometidos na campanha presidencial passada?”
– A segunda é “Quem matou o Prefeito Celso Daniel?”
– E a terceira é “O senhor sabia dos escândalos do mensalão ou não?”.
O candidato fica desnorteado, mas neste momento a campainha para o recreio toca e ele aproveita e diz que continuará a responder depois do recreio. Após o recreio, ele diz:
– OK, onde estávamos? Acho que eu ia responder perguntas. Quem tem perguntas?
Um outro garotinho levanta a mão e o candidato aponta para ele.
– Pode perguntar, meu filho.
– Como é seu nome?
– Joãozinho, e tenho cinco perguntas:
– A primeira é “Onde estão os milhões de empregos prometidos na campanha presidencial passada?”
– A segunda é “Quem matou o Prefeito Celso Daniel?”
– A terceira é “O senhor sabia dos escândalos do mensalão ou não?”
– A quarta é “Porque o sino do recreio tocou meia hora mais cedo?”.
– A quinta é “Cadê o Paulinho?!”
* Algumas piadas foram feitas para rir, outras para se pensar. Via twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *