Vocês não são passageiros, vocês são clientes.

A frase que intitula o post foi dita por um trocador de ônibus que, no alto de seus 15 anos de profissão, deixou muito diretor de empresa “no chinelo”.

Para que você entenda melhor irei resumir a história de como a frase foi dita e explico o que isso reflete nas empresas.

Dia de calor, período de férias, 8h da manhã e um ônibus que sai da zona norte do Rio de Janeiro em direção à praia.
O ônibus estava lotado e grande parte das pessoas sentadas estava usando roupa de praia e chinelo havaiana. Próximo ao trocador um grupo de pessoas, que costumam pegar diariamente o mesmo ônibus, conversavam sobre a falta de educação de alguns dos passageiros que iam à praia:
– É complicado… Eles não precisam sair essa hora para ir à praia. Podem pegar o ônibus mais tarde e mais vazio. Acabam não deixando lugar para a gente.
Outra moça ao lado completa:
– Realmente. E muitos nem sedem o lugar para pessoas com deficiência ou idosos. Nós também somos passageiros.
O trocador que concordava com os argumentos interrompe e faz uma ressalva:
– Eles são passageiros, vocês não. Vocês pegam o ônibus todos os dias com a gente. Vocês são clientes!

Ônibus cheio

Pode parecer uma frase sem muita profundidade, mas se pararmos para analisar, o que o trocador do ônibus falou é um conceito que muitos empresários/executivos não conseguem entender.

Sabe aquela historia que o empresário diz “meu público-alvo é todo mundo“. Pois é, o trocador saberia melhor do que ele sobre isso. O trocador conseguiu identificar e separar quem é seu público.

Mesmo que qualquer um possa pegar o ônibus, não é para todo mundo que a empresa deve fazer ações de marketing. Existe um público específico para o seu produto e serviço. Mesmo que qualquer um possa entrar na loja e comprar, você precisa atender e principalmente entender esse segmento.

Para ser mais objetivo, você não pode dizer que uma revista é para todo mundo, mesmo que qualquer um possa ler.

É um conceito simples: segmentação e definição de público-alvo. Mas infelizmente ainda existem muitas pessoas falando besteira sobre o assunto.

Se você achava que seu público era todo mundo, leia novamente o trecho sobre o ônibus e pense: Um trocador de ônibus – destaco isso pela provável qualificação em marketing que ele Não tem – consegue separar quem é o cliente e quem é o passageiro e eu falando que meu público é todo mundo…

Faça uma análise do seu produto/serviço, será que ele realmente não tem um público principal?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *